quarta-feira, julho 05, 2006

Portugal no Mundial - Notas

Scolari: 18 por nos ter levado às meias-finais; -3 por ter falhado a final; nota final: 15.
Ricardo: 19. Não só pelos penalties, mas por ter sido sempre seguro, inclusive nos cruzamentos. Esperemos que no Sporting volte ao normal.
Miguel: 17. Um dos melhores laterais do torneio, impecável a defender, lesto a atacar. Pena é que ainda não tenha aprendido a cruzar.
Meira: 17. Começo algo titubeante durante a fase inicial. Depois disso, quase perfeito.
Ricardo Carvalho: 19. Com Fabio Cannavaro, o melhor central do mundo. Ponto final, parágrafo.
Nuno Valente: 14. Já não tem pernas para atacar nem para defender adversários muito rápidos. Mas a sua experiência dá para disfarçar essas limitações.
Costinha: 8. Nota negativa, não apenas pelo erro infantil frente à Holanda, mas por não ter correspondido em nenhum jogo. Sem fôlego para a sua posição natural, por falta de ritmo de jogo ou de juventude, mostrou-se desenquadrado.
Petit: 12. Mostrou todas as suas qualidades - voluntarismo, esforço, garra - e os seus defeitos - falta de sentido posicional, pouca técnica. Mas sempre útil.
Maniche: 19. O jogador mais regular em todo o torneio, recuperando bolas, distribuindo jogo, rematando, marcando golos. Uma aposta claramente ganha por Scolari, naquele que merece consagração como um dos melhores médios do torneio.
Deco: 11. Apenas leva nota positiva por ter marcado um grande golo. De resto, tal como o seu companheiro do Barcelona, falhou. E falhou principalmente no jogo em que ele deveria desiquilibrar: o desta noite. Não procurou a bola, não forçou o drible, passou ao lado do torneio.
Figo: 15. Um exemplo de dedicação e esforço. Já não tem pernas para extremo, apesar de se ter apresentado em muito melhor forma fisica do que no Euro 2004. Pena aquele falhanço contra a França que provavelmente nos levaria à final. Ele, mais do que qualquer outro, merecia-a.
Ronaldo: 16. Pressionado por todos os lados - público, imprensa (desportiva e cor-de-rosa), árbitros - deu a volta por cima, e mostrou uma maturidade, ou melhor, classe, invulgar num jogador da sua idade. No seu melhor jogo, com a França, Scolari cometeu o crime de o esconder como ponta-de-lança. Foi pena. Mas mostrou todas as suas invulgares qualidades. Amigos ingleses: se Rooney é Pélé, Ronaldo será o quê, Deus?
Pauleta: 3. O 3 deve-se ao golo com Angola. Pauleta é um jogador que pura e simplesmente não tem qualidade para jogar contra equipas deste nível. Esconde-se, não procura a bola, não salta com os defesas, nada. Não é um dado novo, basta recordar o seu idêntico desempenho durante o Euro 2004. Continuará a ser útil naqueles jogos que antigamente Portugal muito difilcilmente ganhava (Malta e equipas similares). Mas competições destas são areia demasiada para a camioneta do Pauleta.
Simão: 14. Entrou sempre muito bem e marcou penalties com a serenidade de um grande jogador. Já deve estar vendido por umas boas massas. Só por isso, leva mais um valor e passa a 15.
Hugo Viana: 12. Poucos minutos mas de muita qualidade. Certeza de passe, remate fácil, por mim pode vir para o Glorioso.
Tiago: 9. Depois da época em Lyon, esperava o dobro dele. Ficou-se pelos serviços mínimos, talvez por falta de condição fisica ou de confiança. Sem Deco, precisávamos de um Tiago ao seu nível. Não o tivemos.
Hélder Postiga: 3. O 3 deve-se ao penaltie contra a Inglaterra, marcado com classe (ou irresponsabilidade, mas o efeito é o mesmo). É um claro erro de casting, não só para esta competição, mas para o futebol. Como ponta-de-lança, e mais do que inútil: atrapalha, destroi o jogo da nossa equipa e a nossa paciência.
Paulo Ferreira e Boa Morte: não deu para aquecer.
Nuno Gomes: 16 (potencial). Aqueles minutinhos com o México foram suficientes para mostrar o que poderia ser a equipa portuguesa com um avançado que sabe receber uma bola, guardá-la, distribui-la, enquanto faz os centrais mexer-se. Com ele, Portugal poderia ter jogado em 4-3-3. Sem ele, jogámos sempre em 4-5-1. Ser 3ª hipótese, ainda atrás de Postiga, é humilhante. Mais vale fazerem como fizeram ao Baia e nem sequer o convocar.

NG

8 Comments:

Blogger Gabriel Al Ves said...

Boa análise. Concordo em quase, quase tudo. Embora também não entenda a opção Helder Postiga (gosto muito do esilo de jogo do Nuno Gomes), acho que foste muito duro com o Scolari. Eu dar-lh-ía um 17 ou um 18.
Quanto aos jogadores, acho tb que Costinha merecia um pouco mais. Os melhores para mim foram: Carvalho, Ricardo, Ronaldo, Maniche, Miguel e Figo. Mas se tivesse de escolher um... definitivamente, Carvalho.

10:01 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Here are some links that I believe will be interested

5:03 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Here are some links that I believe will be interested

4:58 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»

10:27 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Looks nice! Awesome content. Good job guys.
»

7:25 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Excellent, love it! Fastest comact flash card tell zocor pill Fila ferrari f2003 Lamborghini miscleona In car entertainment gps video navigation gps Firestone tire stores in central indiana Metasearch engine pay per click search fast metasearch last minute weekend hotels banff Hydrocodone use fioricet Online callcenter jobs funny travel stories farrakhan trip to middle east hawaii honolulu auto detail car wax

1:55 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Excellent, love it! » » »

6:39 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Enjoyed a lot! » » »

7:16 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home